Quinta-feira, 29 de Maio de 2008
interior amargo

 

A face logo abaixo dos olhos arde. As lagrimas estão ali, mas elas não saem. Estão aprisionadas pelo rancor ou algum trauma. Meu corpo grita por dentro, meu sangue corre levando as lagrimas. Um choro interno impossível de demonstrar. Como pode tanta frieza em uma pessoa? Não sei. Mas sei que sou. Não possuo o dom de controlar meus sentimentos. Como pode isso acontecer? Mal humorada quase nunca. Sou mais a ausência de emoções; um vazio que ninguém compreende integralmente. Isso pode soar melancólico, mas é a minha verdade. Sou assim e ponto. Ações impessoais minhas são comuns. Ser franca e sincera me afasta dos outros; até mesmo aqueles que possivelmente gosto. Não mantenho relacionamentos. Não consigo. Não quero. No final sempre acabo machucando alguém. Meu corpo não sabe lidar com os processos sociais básicos.

 

Mas talvez eu não seja a ausência de sentimentos, o vazio; mas sim, uma coisa tão lotada de informações, sensações e percepções que não me permito o novo. Não existe reciclagem, é impossível jogar as recordações no lixo. Elas estão ali, escondidas atrás dos olhos, um lugar já lotado de amargura. E quando são ativados por um novo conflito, liberam água para que a frieza escorra para fora. Mas não sai nada. Não compreendo a ação mais antiga para demonstrar emoção. Chorar. Mas ainda tenho os mecanismos necessários. Agora como eu os uso ou deixo de usar não é por opção, ou é. Mas nada disso realmente importa, importa?



 



 

 

 



publicado por lastnight às 18:30
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

Segunda-feira, 5 de Maio de 2008
felicidade nua

Descobrimos coisas novas todos os dias. Mas quais são as coisas que valem a pena mesmo conhecer? Acho que a maioria. Mesmo sendo bombardeados de coisas inúteis que só acabam trazendo angustia e problema. Queria poder filtrar o que eu vejo e escuto, são tantas mediocridades que não consigo acreditar. Mas não posso. Ainda assim, não consigo aceitar que as pessoas sempre pensam em serem felizes e não aproveitam os momentos. A felicidade está nos momentos que rimos ou que sentimos aquela angustia ao nos despedirmos de alguém que sabemos que veremos no próximo dia. Por que não viver o momento e fazer o que der vontade? Por que se conter pensando no que os outros vão pensar? Pagam pose de descolados, mas nunca fazem o que têm vontade. Todos deveriam ser como realmente são e se aceitarem como são. A vida é curta e imprevisível. Nunca sabemos se na manhã seguinte ainda vamos ter os velhos amigos para poder conversar. Seria horrível acordar e ver que nunca mais terá a chance de falar para alguém especial o que você realmente sente. Esperando, você poderá não ter mais um dia. O segundo que passou nunca mais voltará, um dia nunca repete; na vida é tudo somente uma vez e só uma chance. Antes acordar arrependido do que dormir com a vontade. Ficar se martirizando durante o resto da vida com pensamentos das possibilidades do que poderia ter acontecido, é pior do que se decepcionar. Vida você só tem essa. E ninguém pode julgar alguém por ser feliz da maneira que lhe faz bem.



publicado por lastnight às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

ligo o rádio e blá blá blá
pesquisar
 
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

sussurre as palavras fina...

extorsão

interior amargo

felicidade nua

misantropia ou filantropi...

rotina de ambição

(des)honesto

saudades

há anos

hell yeah

arquivos

Junho 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds